Archive Page 2

Amar

image

Leia ouvindo Heart Like Yours (Willamette Stone) https://youtu.be/Lp6MUboaOqw

“Amar é andar junto tempo suficiente e gerar no outro o melhor que o outro pode ser. Amar é entrega. Caminhada. Parceria.
O amor é paciente, nunca desiste. Supera frustrações e conflitos. Não para no obstáculo.
O amor é bondoso. Consegue ver o melhor do outro. Olha com bondade. Olha buscando o melhor do outro.
O amor não inveja. O amor não deseja o que não tem. O amor desfruta o que tem.
O amor não se vangloria. Nunca “dá uma de pavão”. Dá mais do que recebe.
O amor não se orgulha. Não acredita que merece mais.
O amor não maltrata. Não impõe a si mesmo sobre os outros. Não abafa. Não anula o outro. Não cobra.
O amor não procura seus interesses. Não diz “primeiro eu”. É capaz de abrir mão. Sabe que a plenitude de uma relação de amor é o altruísmo.
O amor não se ira/irrita facilmente. Não cria caso por qualquer coisa. Não “enche o saco”.
O amor não guarda rancor. Não vive em função de passado, não “joga na cara” (não repete na discussão de sexta o que já disse na discussão de quarta, porque o que foi dito na discussão de quarta tem que ser resolvido na discussão de quarta).
O amor não se alegra com a injustiça. Honra compromissos.
O amor se alegra com a verdade. Não contemporiza. Não deixa pra lá (se o outro magoou e reconhece, o magoado tem que dizer que se sentiu magoado sim!). Não se deve esconder algo do outro por achar que aquilo não é necessário ser de seu conhecimento. Senão, torna-se uma relação de falsidade, de insatisfações tácitas e acordadas.
O amor tudo sofre. Fica acima de qualquer coisa.
O amor tudo crê. Sempre acredita em mudanças. Amar é gerar o amável.
O amor tudo espera. Está aberto às possibilidades.
O amor tudo suporta. Está disposto a sacrifícios.
Esse é o amor sólido, diferente do amor líquido, que tem cara de amor, mas é o pseudoamor, frágil, sem densidade.
O amor sólido é possível. É um caminho de realização e felicidade.”
(por Ed René Kivitz)

Anúncios

O segredo é não correr atrás. Será?

Gente… o post mais lido aqui do blog é “O segredo é não correr atrás”. Como eu sei? Fácil! Pra vocês, leitores, meu blog é apenas mais um, no meio dessa imensidão que a menina Internet oferece. Mas, para mim, dona, que gerencia, o WordPress oferece as senhorinhas chamadas estatísticas. Sim! No status, tenho como ver quantos acessos por dia, mês e ano, termos de buscas utilizados para saber como chegaram até o Devaneio’s. Sei até os países de onde acessaram! Legal, né?
Afff! Falei demais pra chegar no principal… Então… Todo santo dia, aparece pra mim que esse post teve vários acessos e termos de busca do tipo “como fazer namorada correr atrás”, “não correr atrás funciona” e por aí vai… Engraçado é que o post conta uma situação específica de uma amiga, que confundiu uma ficada de verão com a possibilidade de algo mais sério e depois viu que não era nada daquilo…
Aí, de tanto ver trocentos acessos, fiquei imaginando a que conclusão vocês chegam após ler toda a narrativa da triste história… Geral lê, mas não comenta… Difícil saber, mas imagino. Hahaha.
Gente, o tempo passa e vamos mudando nossa forma de enxergar as coisas, né verdade?
Não pretendo tirar o post do ar porque ele pode ajudar muita gente a entender esse lance de “correr atrás”… Não se trata de joguinhos (tem muita gente que até faz e dá certo por um tempo), nem de não dar atenção, tratar com indiferença…
Trata-se de RECIPROCIDADE. Quando a gente ama, se o outro lado não ama de volta, pra que desperdiçar suas pérolas, jogando-as aos porcos? O amor que a gente tem é algo valioso! Mesmo que doa, que você siga amando, pese se vale a pena dispensar algo por quem não te dá a mínima e não está nem aí pro seu sentimento. Duro, né? Mas é a verdade. Não vai adiantar juras de amor eterno se você sabe que vai ficar no vácuo depois… Avalie.
E, quando se trata do “cuide do seu jardim”, é pra você se cuidar mesmo, por dentro (principalmente) e por fora, ter amor próprio, amando-se o máximo que puder, até transbordar.
Cuidar de si mesmo é o melhor que você faz. Aí, quando alguém que mereça seu amor chegar, você vai saber reconhecer e não se enganar, pois essa pessoa estará fazendo o mesmo que você: cuidando do jardim dela também. As chances de valorizar e querer estar junto pra compartilhar esse amor e a felicidade são imensas!
Pensem nisso!

Sobre a canção que ele me dedicou…

Leia ouvindo For No One – The Beatles

http://m.youtube.com/watch?v=4t-qlgF_vwY

A gente se viu na multidão. Entre tantas pessoas, nossos olhares se cruzaram e não vimos mais nada, a não ser um ao outro. E ficamos assim, a nos encarar, por um longo tempo. Até que ele se aproximou, disse algo que não entendi por causa do barulho, então eu sorri. E ele sorriu também. Então começamos a conversar. O brilho dos olhos dele era encantador. O seu cheiro era uma loucura e as covinhas quando ele sorria eram pra fazer qualquer mulher se apaixonar. Porque ele não era só bonito e tinha charme de sobra. Ele falava bem, num tom de voz firme, porém suave aos ouvidos. Sim, qualquer mulher faria o possível para estar na companhia dele, baixaria a guarda do coração. Menos eu. Achei que seria só aquele dia. Fogo de palha, curtir a magia da folia…
Sim, porque já tinha tido o coração tão machucado, já tinha deixado pra trás até quem eu mais amei na vida, já tinha cicatrizes demais pra querer algo com alguém. E não queria mais passar por tudo de novo. Eu deveria ter dito isso a ele logo de início, mas que sentido faria expor isso, já que eu não tinha pretensão de nada?
Mas ele insistiu em trocar contatos, ele quis que a gente se visse mais vezes, ele me convidou a entrar na vida dele, ele me dizia coisas tão lindas, até me acordou 1x ao som do seu piano, numa manhã ensolarada de domingo… E me fez chorar, não porque a música era linda, mas por eu não me enxergar numa história junto com ele. Simplesmente não dava, sabe?
Quando a gente toma mais consciência da vida e de como a gente tem que buscar ser feliz, não podemos privar o outro disso também. Ele merecia uma pessoa como eu sim, mas se eu estivesse disposta, aberta ao amor naquela época (isso tem quase 06 anos…). Então resolvi abrir espaço para o novo dele. E fui embora de sua vida. Sem muita explicação.
Tínhamos pouca coisa em comum, mas o fato dele amar Beatles e eu também já era suficiente. Coloquei esse parêntese aqui porque ele me dedicou essa canção que você ouve enquanto lê esse post. Quando a escuto, sempre choro (evitei muitas vezes escutá-la), não por lembrar de tudo aquilo que eu não quis viver, mas por ter uma canção tão triste dedicada a mim. Ainda que seja um canção dos Beatles. Vez em quando, tenho vontade de saber como ele está, se encontrou alguém legal. Adoraria saber que sim, que ele está bem e que a minha atitude foi certa e pude, mesmo saindo da vida dele, fazê-lo feliz.

“And in her eyes you see nothing
No sign of love behind the tears cried for no one
A love that should have lasted years”

Participação Especial de Sábado, vem ver!

Hoje, sábado, mais um texto lindo e inspirador de Rafael Lopes. Inspirem-se! Valeu, poeta! 🙂

Alarido ao fim da tarde

Basta! Não desejo uma escrita mastigada, desejo decifrá-la. Você, faça o mesmo! Hoje, eu decidi ouvir o apelo do meu coração que por muito tentei silenciar. Tenho percebido que quanto mais vivo, menos sei. Não consigo mais distinguir a vaziez da cheiura do meu coração. Desconfio que com o galgar do tempo, ele próprio tem nos tirado as certezas mais certas, ou nos tem outorgado as incertezas mais incertas? Não se equivalem? Ah! Sabe lá Deus… Nada é certo, nem nada é errado. Tudo é passageiro.

image

As nossas lentes vão modificando-se. A paisagem vista da janela que, a pouco, me assombrava com tamanha imensidão, que mal cabia no meu olhar, imagine no seio, hoje aparenta-se tão pequena… parece caber na palma da minha mão, mesmo que possua vários corações tão inflamados quanto o meu, ou mais saudáveis. E, ainda, dê-me a visão do infinito – que nem é infinito. Ao meu visor, nem o eterno é eterno. Tudo finda-se, assim como inicia-se. E eu tornar-me-ei eterno, mesmo que seja para voltar ao recomeço.
Ah! Que mágica a minha escrita! Para mim é a “mais perfeita”, repito; para mim. Mágica, diferentemente da minha pessoa vil. Eu que tenho fechado os olhos para tantas coisas, que tenho zombado do meu semideus e que, por conveniência, tenho lhe murchado as orelhas. Eu que tenho respondido com perguntas os questionamentos que me têm sido feitos, eu que crio pensamentos para justificar os meus erros e defeitos… Basta! Isto não é um poema em linha reta, é uma escrita tortuosa, bem como a minha vida. Tal vida que, de ingênua, decidiu viver uma outra vida já tão vivida. Mas que me encanta e me presenteia com um amor tão ímpar… És a minha salvação nos dias de chuva, e como chove em minha vida… Destino, terás tu transformado o futuro em presente? Pessoa, para onde será que o meu comboio de corda me levará?
(Rafael Lopes)

Sábado é dia de participação especial no blog. Vem conferir!

Todo sábado, teremos participações especiais aqui no blog.
O texto de hoje é de autoria de Rafael Lopes. De palavras profundas, que tocam a alma, ele tem um jeito singular de escrever. Espero que gostem! Mergulhem!!!

#Ao meu heterônimo#

image

Mergulhar ou não? Estou inseguro.
Bem verdade que aprendi a nadar, porém continuo com medo de me afogar novamente.
Sou guiado pelo meu instinto imperialista. Tenho desejo por Vitória, por conquista. Tenho anseio por poder, por reinar sobre a minha terra, bem como sobre as minhas propriedades, algumas dizem não ser, diga-se de passagem. Contudo eu quero como eu quero. Senão, eu quero da mesma forma. Para o amor não existe explicação!
Há uma programação para amar ou acontece abruptamente, sem planejamento?
Sabe, eu tenho muitos questionamentos cultivados pelo meu lado racional, todavia o meu lado emocional apenas age. O que de errado há? “Quanta pergunta… chega a incomodar.”. Talvez ela nunca compreenda tal citação… É uma pena. O que eu faço? “Não me faça mais perguntas. Por favor!”. Outra pena… Porque eu sou sedento pelo saber, e é da dúvida que brota o conhecimento. Talvez apenas eu compreenda o meu escrito, porém eu não cometerei o pecado de confiná-lo. Cumprirei o meu direito e dever de externá-lo. Irei compartilhar ao menos comigo mesmo para que ele não morra sem chegar ao papel, sem cumprir o seu papel.
O meu coração fala por si próprio…
Eu não tenho medo da morte. Medo da morte tem quem não viveu. Caso ela venha quero que ao invés de levar, traga-me flores para eu repassá-las, dependendo do estado físico, íntegras ou murchas, para quem as merece.
E apesar das incertezas geradas pelas certezas, eu permaneço sano na minha insanidade. Pois o meu coração é um poeta. Sente muito, mas não escreve. Ou escreve certo em linhas tortas.
(Rafael Lopes)

Obrigada, Rafael! E parabéns! Espero publicar mais textos seus por aqui!

O que toda Mulher deseja (válido para Homens também!)

Esse texto é válido também para Homens (com “agá” maiúsculo)!!! Com alguns ajustes, mas sempre lembrando: eles (os de verdade) também têm sentimento.

Com o passar do tempo, chegamos à conclusão de que beleza, apesar de ser colírio para os olhos, não é tudo, dinheiro é muito bom, mas não é o principal. Estar junto é o que realmente importa (entendam: não significa estar 100% do tempo grudados – cada um tem sua individualidade -, mas sim ser 100% no momento em que estiverem na companhia um do outro).

O tempo vai passando e você quer alguém para dividir os beijos, os sorrisos, os abraços, as piadas idiotas, seus medos, tristezas, fracassos e conquistas. Coisas simples, que qualquer ser humano deseja, mas que têm muito valor.

O que toda mulher deseja é alguém que lhe desperte essa vontade de compartilhar, de mostrar mais a sua vida, suas maiores qualidades, enfim… De expor seu infinito particular (e isso inclui, também, os seus defeitos).

Toda mulher deseja alguém de palavras doces/sinceras e de atitudes (principalmente o 2º ponto), que deseje, assim como ela, fazer tudo acontecer, de forma clara e sem joguinhos. Que seja homem de verdade, e não aja como moleque. Que tenha personalidade, que até busque conselhos com alguém, mas não se deixe levar pela opinião machista dos amigos. Que não ache que ela já está 100% na sua mão, pelo fato de ter demonstrado seus sentimentos e de que gosta de você de verdade (cuidado…). Que não ache que maltratar uma mulher irá fazê-la correr atrás desesperada, pois isso é coisa de “Maria Mijona”. Que perceba a Mulher (sim, com “eme” maiúsculo) de verdade que ela é, e que vai cair fora se receber menos do que merece. Seguindo o exemplo do lindo (Christian) Grey, que não queira foder a vida dela, mas sim fodê-la, com muito amor e com força (com direito a tapinhas e puxões de cabelo).

Uma mulher que se ama e sabe do seu valor deseja alguém que consiga enxergá-la exatamente como ela é, que aceite suas teimosias e que a faça sorrir. Alguém com senso de humor e que demonstre o quanto quer estar com ela e como se sente bem por isso.

No fim das contas, tudo o que uma mulher deseja é alguém companheiro, que cuide, proteja… Que lhe dê atenção. Nos seus momentos difíceis, que esteja ao lado dela, dizendo que vai ficar tudo bem, ou que apenas fique juntinho, mesmo em silêncio. Alguém que abrace forte, que dê colo e carinho. Muito carinho. Alguém que sinta muito tesão por ela, mas também enxergue que o coração dela é a coisa mais importante que ela pode oferecer. E que não o machuque. Um porto seguro, onde ela ancore com tranquilidade e queira ficar ali, aninhada, por tempo indeterminado.

Ah! Já ia esquecer o principal: Mulher de verdade, quando encontra alguém assim, retribui da forma mais surpreendente que se possa imaginar!

Suas expectativas… são suas… apenas suas!

Outro dia, numa conversa, falei que fico puta comigo porque crio expectativas, mesmo com a plena convicção de que isso vai me doer lá na frente. E ouvi um “ninguém é responsável pelas expectativas que você criou”. VERDADE! Dolorosa, mas é verdade. E, inconscientemente, por saber disso, é que bem lá no fundo isso me dói… É uma cobrança que me faço sempre: “Renata, não crie expectativas! Deixe essas fdp morrerem de fome!”. Aí eu vou e quebro o pacto que fiz com a pessoa mais importante do acordo: eu mesma.

Armandinho

 

Mas, olhando por outro ângulo, isso é termômetro para que eu aprenda a dosar minha intensidade com as pessoas, saber onde piso… Se recebo pouco, pouco irei me doar. Se faço algo que achei que merecia uma recíproca à altura e não a tive, é como se aquilo me pusesse freios e, da próxima, bom… não haverá próxima. Porque me condicionei a ser assim… É, não sei brincar… Talvez eu aprenda. Um dia.

Sabem o “recebi, também vou retribuir/me doar”? Ainda sou dessas que acha simples essa matemática e que todos também deveriam saber… Não suporto sentir que minha doação é em vão.

Ainda bem que tem sempre alguém que acha bom receber. Aí sim vale a pena! Porque retribui de forma linda, sem armaduras, ou sem olhar pra seu sentimento como se ele fosse só mais um sentimento. Porque… porra! Isso é o que a gente tem de mais bonito e digno!!! A minha alegria é essa: pra esse montão de sentimento bom que a gente guarda, explodindo no peito e querendo alcançar o outro, tem gente aberta a receber, disposta a retribuir… grata e feliz por isso. Porque “ser intenso é uma qualidade. Não há vantagem em ser vazio ou sem entusiasmo” (a mesma pessoa do início desse texto também me disse isso… guardei comigo e me inspirou isso aqui).

expectativas